20 de dez de 2010

BASF Lança Video institucional homenageando o Agricultor Brasileiro e a nossa agricultura ecoeficiente...

Vídeo homenageia o agricultor brasileiro, que pode dobrar a produção de alimentos sem destruir as florestas
Nos últimos 35 anos o Brasil se transformou de importador em um dos maiores exportadores de alimentos. De acordo com o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o país utiliza apenas 18% de suas terras agricultáveis e apenas 9% do território brasileiro são ocupados pela agricultura.

Segundo a Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, no período de 1976 a 2010 houve um aumento de 2,5 vezes na produtividade. Isto porque a área plantada de grãos e oleaginosas aumentou 27%, enquanto a produção aumentou 213%. A agricultura familiar também evoluiu, pois, de acordo com o CNPH – Centro Nacional de Pesquisa de Hortaliças, da Embrapa, entre 1980 e 2005 a produtividade de hortaliças praticamente dobrou.

O vídeo “Um Planeta Faminto”, produzido pela BASF, retrata a competitividade do agricultor brasileiro. Com dados tangíveis e comparações didáticas, a animação mostra à sociedade a evolução da agricultura brasileira na produção de alimentos para a crescente população mundial, que saltará de 6,8 bilhões em 2010 para 9,3 bilhões em 2050.

O vídeo registra a contribuição da agricultura brasileira na busca de fontes de energia renováveis. Em 2010, o consumo de etanol de cana-de-açúcar superou o de gasolina. Entre 1975 e 2010 a produção de cana aumentou de 89 para 696 milhões de toneladas, ocupando menos de 1% do território nacional. De acordo com a Embrapa, a energia gerada de derivados da cana-de-açúcar ocupa o segundo lugar na matriz energética brasileira, com 16%, sendo menor apenas que energia gerada do petróleo e seus derivados (36,7%) e superior à energia hidráulica (14,7%).

“O vídeo mostra o valor do agricultor para a sociedade. Esse profissional é um apaixonado pela terra e pela natureza. Seu trabalho é essencial e deve ser reconhecido pela população. Estamos prestando uma homenagem ao agricultor brasileiro”, ressalta o vice-presidente sênior da Unidade de Proteção de Cultivos da BASF para a América Latina, Eduardo Leduc. “A força do agricultor se mostrará ainda mais necessária no futuro, já que as previsões da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) atestam que, nos próximos dez anos, a demanda mundial por alimentos crescerá 20%, e o Brasil atenderá a 40% desta demanda”, reitera.

Dados consolidados pela Embrapa mostram que o Brasil possui 851 milhões de hectares, dos quais 254 milhões (29%) são utilizados para atividades agropecuárias, sendo 77 milhões para a agricultura (9%) e 177 milhões (20%) para a pecuária. “A inovação e a maior utilização de tecnologia pelos agricultores pode ajudar o Brasil a dobrar a produção de alimentos sem ter que desmatar suas florestas”, afirma Fábio Del Cistia, diretor de Marketing da Unidade de Proteção de Cultivos da BASF para América Latina.
Além das questões ambientais, a força econômica do agronegócio também foi traduzida em números. Em 2009, o setor apresentou um superávit de U$ 54,9 bilhões na balança comercial. O Produto Interno Bruto do Agronegócio corresponde a ¼ do PIB nacional e o segmento é responsável por 37% da mão de obra empregada.
object width="400" height="250">


15 de dez de 2010

Alunos de Universidades Criam BLOGS para divulgar e discutir temas...

Os alunos do curso de Geografia da Uni Sant’Anna acabam de criar o blog


Os alunos do curso de Geografia da Uni Sant’Anna acabam de criar o blog http://geounisantanna.blogspot.com/, com assuntos da área de geografia. O aluno Cassio Felix Oliveira, que concluiu o curso de Licenciatura em Geografia, foi responsável por elaborar o blog e organizar o lançamento, com a colaboração de alunos e docentes da instituição.


O blog, de lay out moderno, traz artigos, como 'Riscos geológicos e polêmicas públicas', de Ronaldo Malheiros Figueira, coordenador do curso de Geografia da Uni Sant’Anna e coordenador de Ações Preventivas da Defesa Civil da Cidade de São Paulo, além de notícias atualizadas sobre geociências e meio ambiente.



Entre as notícias do blog estão as discussões da Mesa Redonda 'Riscos Geológicos e o papel das Geociências', realizada no Instituto de Geociências da Universidade de São Paulo, com a participação de Malheiros Figueira e outros profissionais renomados da área, como Eduardo Soares de Macedo, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas - IPT.


O blog apresenta informações sobre a estrutura e diferenciais do curso oferecido pela Uni Sant'Anna -- que pelo ranking do jornal O Estado de S. Paulo, a partir dos resultados do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes - ENADE, é o segundo melhor curso da cidade de São Paulo --, links interessantes (portais de notícias sobre geotecnologias, TCCs e dissertações) e vídeos do You Tube sobre os trabalhos de campo realizados nas disciplinas e projetos do curso.

IPT Lança Video institucional

IPT - Institucional from zinga on Vimeo.


Vídeo com aproximadamente nove minutos de duração mostra o IPT pela perspectiva de seus profissionais e projetos

“O vídeo institucional é importante pois dá voz aos que constróem a credibilidade do IPT no dia-a-dia, seus pesquisadores e técnicos.” Esta é a avaliação do publicitário Guilherme Mariotto, do Marketing Corporativo do Instituto, cuja equipe trabalhou na co-direção para produção do vídeo ao lado de profissionais da produtora Zinga, que roteirizou e dirigiu as gravações. ”Partimos do pressuposto de construir este vídeo com roteiro baseado no depoimento de quem faz o trabalho de pesquisa, mostrar quem são, dos mais experientes aos mais novos de casa, e que estamos todos no mesmo barco.”

A preocupação da equipe de produção foi mostrar quem faz tecnologia no IPT em uma linguagem contemporânea, que fugisse ao óbvio e desse um tom mais próximo da realidade a cada depoimento.
Como não era possível contar tudo sobre o IPT, tivemos a dura tarefa de fazer escolhas. Selecionamos oito depoimentos de pesquisadores, além do presidente João Fernando, e projetos de grande visibilidade para representar o Instituto e apresentar seus impactos positivos na sociedade.”

O vídeo institucional é também uma importante ferramenta para consolidação e venda da imagem do IPT aos seus clientes atuais e potenciais, segundo a responsável pelo Marketing Corporativo, Gabriela Monteiro. “Com o apoio do IPT, empresas relatam ganhos de qualidade, produtividade e lucros. São diversos casos concretos que ilustram estas situações. Para os pesquisadores, esta ferramenta ajudará a apresentar aos clientes, uma instituição centenária em sua credibilidade e, ao mesmo tempo, focada no futuro, investindo em ampliação e modernização laboratorial e qualificação constante de suas equipes. Outros vídeos serão feitos.”
fonte IPT







12 de dez de 2010

Viva Pacaembu celebra reabertura da Casa Guilherme de Almeida

A Associação de Bairro Viva Pacaembu celebra reabertura da Casa  Guilherme de Almeida em café da manhã ao ar livre.

Para celebrar a reabertura da Casa Guilherme de Almeida , moradores do bairro do pacaembu, membros da Viva Pac e Autoridades , iniciaram o dia de sabado 11/12 com um café da manhã servido ao ar livre na praça Casa da Colina (situada na Rua Tacito de Almeida).

Logos após partiram em caminhada em um pequeno percurso pelas ruas do bairro até a CASA GUILHERME DE ALMEIDA  para se juntarem as autoridades presentes e participarem das solenidades de reabertura do Museu de Guilherme de Almeida.





O governador Alberto Goldman e o secretário da Cultura, Andrea Matarazzo, participaram neste sábado, 11, da reabertura do Museu Casa Guilherme de Almeida para a visitação pública e atividades voltadas à literatura. Inaugurado em 1979, o museu estava fechado desde setembro de 2006 para reestruturação e obras de adequação que custaram cerca de R$ 625 mil, realizadas pela Secretaria da Cultura.


O projeto arquitetônico e museográfico redefiniu a identidade visual do museu e o entorno da casa, oferecendo maior destaque ao acervo, em diálogo com a arquitetura da Casa. A Casa Guilherme de Almeida também foi equipada para atender pessoas com deficiência e mobilidade reduzida. Um elevador foi instalado nos fundos do imóvel, permitindo o acesso ao pavimento superior do museu.
Considerada o primeiro museu-casa biográfico e literário da cidade de São Paulo, a Casa funciona na antiga residência do poeta, tradutor, jornalista, crítico e advogado paulista Guilherme de Almeida (1890-1969). Durante o período em que esteve fechada à visitação, as atividades culturais não pararam - boa parte foi transferida para a Casa das Rosas, na Avenida Paulista. Foi realizada nova e completa catalogação do acervo, inclusive da biblioteca (cuja relação de títulos poderá ser consultada pela internet), e foram executadas ações de restauro de obras e objetos.
A Casa agora reabre com dupla identidade e função: além de ser Museu Biográfico e Literário, o museu possui também um Centro de Estudos de Tradução Literária, em sintonia com uma das principais atividades de Guilherme de Almeida, cujas traduções são consideradas modelares pela crítica. O Centro de Estudos tem realizado atividades desde março de 2009, na Casa das Rosas e no Museu da Língua Portuguesa.

Casa da Colina

O sobrado da rua Macapá, no Pacaembu, foi projetado pelo arquiteto Sílvio Jaguaribe Ekman em 1944. Lá, Guilherme de Almeida residiu de 1946 até sua morte, ao lado de sua esposa, Baby. Lar, refúgio intelectual e ponto de encontro da inteligência artístico-literária paulistana, o imóvel era chamado pelo poeta de "Casa da Colina".
O museu abriga raridades, como os livros, quadros e objetos que o poeta e sua esposa colecionaram durante sua vida. Merece destaque o conjunto de telas assinadas por pintores como Anita Malfatti, Di Cavalcanti, Lasar Segall, Gomide, Tarsila do Amaral e Samson Flexor.

Entre as esculturas que integram o acervo do museu, vale destacar a peça em bronze criada por Brecheret intitulada Sóror Dolorosa (mesmo nome de um poema de Guilherme) - exposta durante a Semana de Arte Moderna de 1922 - e uma interessante cabeça de Baby executada pelo escultor suíço William Zadig, além de um busto do poeta esculpido por Joaquim Figueiras. Litografias de Rugendas, desenhos, aquarelas e iluminuras, de diversos artistas brasileiros, compõem os ambientes.

Entre os objetos decorativos destaca-se a prataria, com peças de origem brasileira, portuguesa, holandesa e inglesa. Há um bule de prata com incrustação de cristal de rocha lapidado e lavrado, que teria integrado os pertences de viagem do Conde Maurício de Nassau, no século XVII.

Outras preciosidades são os documentos e os cerca de 5.500 livros do poeta, incluindo-se o conjunto de obras publicadas por ele, em sua primeira edição. Entre os livros raros encontra-se um volume em pergaminho, do século XVII, e um exemplar da quinta reimpressão da primeira edição de Ulysses, de James Joyce, além de primeiras edições com dedicatória de livros de nossos maiores escritores como Oswald de Andrade, Mário de Andrade e Guimarães Rosa.
Serviço

Casa Guilherme de Almeida

Rua Macapá, 187, Pacaembu.

(11) 3673-1883 / 3672-1391.

Funcionamento: terça a domingo, das 10h às 17h. (Visitas espontâneas: quartas, sextas, sábados e domingos; visitas agendadas: terças e quintas).

Entrada franca.

Fonte: portal do governo do Estado de São Paulo
Fotos: Sammy






Da Secretaria da Cultura

11 de dez de 2010

COP16 Cancun México



Cancun, México: Os governos dos principais países do mundo estabeleceram nesta manhã de sábado, os fundamentos para a tentativa de um acordo global, que visa combater as alterações climáticas, fazendo uma série de compromissos para o progresso no âmbito das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas (UNFCCC) COP16 negociações em Cancún.
Os Governos concordaram em um conjunto de decisões que apoiará novas negociações sobre o próximo ano com o objetivo de um resultado final na COP17, realizada em Durban, África do Sul.

"Após o resultado da Reunião de Governos em Copenhagen,os governos Chegaram em Cancun abatidos, e enfrentando uma pressão pública para agir sobre a mudança climática. Em Cancún foi possível estabelecer uma plataforma para o progresso, e agora os países estão voltando com um sentido renovado da boa vontade e algum senso de propósito. "

Após duas semanas de negociações, os governos fizeram progressos mensuráveis em várias áreas importantes, mas muito mais trabalho e alguns grandes desafios políticos permanecem.

"Por enquanto os governos não foram capazes de decidir sobre a segunda fase do Protocolo de Quioto, o processo foi colocado em pauta e com propósito de dar andamento e fazê-lo no próximo ano, em Durban. As principais dificuldades, contudo, permanecem com os países contestadores, ou seja, o Japão e a Rússia, que agora vão enfrentar pressões crescentes para se juntar à comunidade global em atender o Protocolo de Quioto.

Países no âmbito de Quioto reconheceram mais firmemente que eles precisam para reduzir as emissões de 25 a 40% em 2020 e admitiu que suas promessas de redução de emissões são apenas um começo e é preciso muito mais para alcançar o objetivo comum de limitar o aumento da temperatura a 2 ° C. Durante o próximo ano, eles precisam arregaçar as mangas e esteja preparado para muito trabalho e criatividade para fechar essa lacuna. "


A senadora Kátia Abreu recebeu esta manhã em seu hotel em Cancún o prêmio Motosserra de Ouro, por sua defesa ferrenha de mudanças no Código Florestal, que resultará em mais desmatamentos no Brasil.


Feliz Natal?

Em um apelo ao espírito natalino, um grupo de ONGs, entre elas o Greenpeace, levou Papai Noel até Cancún para ajudar a impedir que a bancada do agronegócio empurre suas propostas de mudança no Código Florestal goela abaixo dos brasileiros.


O bom velhinho ficou nesta manhã na porta do Cancun Messe, um dos prédios onde acontece a COP16, entregando mudas de árvores aos que passam, acompanhado de ativistas com dois cartazes, em português e inglês, onde se lia “Mudar o Código Florestal = Um Natal sem árvores”. Se as alterações no código forem aprovadas no Congresso, o Brasil pode se preparar para, no futuro, celebrar Natais com bem menos áreas de florestas.

O Papai Noel em Cancún teve como parceiros o Observatório do Clima, o Grupo de Trabalho Amazônico (GTA) e a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB), além do Greenpeace.

foto fontes: Arquivo HW /

10 de dez de 2010

A ERUPÇÃO... Poliuretano e Borracha ...The Rash

Acontece neste final de semana 11 e 12 de Dezembro em Parramatta Road, Camperdown -Sydney, Australia o festival de Bike e Skate Vintage.
Promovido pela galera da DEUS Motorclycles o festival comemora a era analógiaca do skate e do Bicicross (BMX).
Deus Polyurethane, Rubber and The Rash

 
 O evento é esperado como um sinônimo de atitude estilo e arte.



Motocicletas da DEUS também estarão expostas no evento alem de uma praça de alimentação alternativa.


Winner of the Deus Bike Build Off 2010

Mais infromações acesse ;http://www.deus.com.au/?utm_medium=email&utm_campaign=Summer+Rash&utm_content=Summer+Rash+CID_7854a786750a9db95b1d8d220881f5ab&utm_source=Email+marketing+software&utm_term=httpwwwdeuscomau

4 de dez de 2010

Entenda um pouco como os Recursos do Pré Sal ficarão divididos...


Criado o Fundo que  garantirá uso de recursos do pré-sal em educação, ciências e tecnologia....
O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, na ultima madrugada desta quinta-feira , o substitutivo do Senado para o Projeto de Lei 5940/09, que estabelece uma nova regra de distribuição dos royalties do petróleo entre todos os estados e municípios e cria o Fundo Social.
O projeto foi encaminhado para a sanção presidencial.

Tema original do Projeto de Lei 5940/09, o Fundo Social criado com a aprovação do substitutivo do Senado terá recursos da exploração do petróleo do pré-sal para aplicação em programas sociais. O texto aprovado reserva metade do dinheiro para programas de educação. Desse total, 80% deverão ser direcionados à educação básica e infantil.

O texto aprovado, do relator Antonio Palocci (PT-SP), especifica que esses percentuais incidirão sobre os ganhos com investimentos feitos com o capital do fundo. Todas as áreas beneficiadas usarão apenas os recursos desses ganhos financeiros.

Em contrapartida, o texto aprovado prevê que, depois de garantida a sustentabilidade econômica e financeira do fundo, o governo poderá propor, em lei, o uso de parte dos recursos do valor principal depositado. Isso poderá ocorrer na etapa inicial de formação de poupança do fundo.
Um comitê de gestão financeira definirá qual capitalização mínima terá de ser atingida antes de qualquer repasse para gastos com programas de desenvolvimento. Entretanto, o texto não define qual será essa etapa de formação de poupança nem os critérios para aferir se o fundo atingiu a sustentabilidade exigida.
O comitê, com participação assegurada dos ministros da Fazenda, do Planejamento e do presidente do Banco Central, definirá a política de investimentos do novo fundo. Serão estabelecidos o montante que poderá ser resgatado anualmente, a rentabilidade mínima esperada, o tipo e o nível de risco que poderão ser assumidos e os percentuais mínimo e máximo de recursos investidos no Brasil e no exterior.
Áreas beneficiadas
Poderão ser beneficiados com recursos do fundo os setores de combate à pobreza, enfrentamento das mudanças climáticas, cultura, saúde pública e ciência e tecnologia.
O esporte e o meio ambiente foram áreas incluídas pelo Senado como beneficiárias e mantidas pela Câmara, mas a Previdência foi rejeitada pelo Plenário, que seguiu o relatório de Palocci.
Com essa rejeição, também foi retirada, do substitutivo do Senado, a reserva de 5% dos recursos do fundo para recompor as perdas das aposentadorias superiores a um salário mínimo.

Royalties atuais
Uma novidade no texto aprovado, em relação ao projeto original do governo, é o direcionamento ao fundo de todos os recursos da União vindos de royalties e de participação especial relativos aos blocos do pré-sal licitados sob o regime de concessão.
Cerca de 28% da área do pré-sal já foram licitados de acordo com essas regras. Estima-se que somente os campos de Tupi, Iara e Parque das Baleias possam ter um total de 14 bilhões de barris. Segundo cálculos aproximados, se esse montante fosse completamente extraído hoje a União receberia cerca de R$ 160 bilhões em royalties e participação especial.

Além dos royalties de pré-sal já licitados, o projeto destina ao Fundo Social parcelas do bônus de assinatura, dos royalties e do petróleo ganhos pela União com base no regime de partilha.

Metas e avaliação
Entre as funções do Conselho Deliberativo do Fundo Social, o projeto prevê a definição de prioridades para uso dos recursos. Eles somente poderão ser aplicados em programas que tiverem metas, prazos de execução e planos de avaliação.

Durante todas as fases de execução, o conselho deverá submeter os programas a avaliações quantitativas e qualitativas e monitorar os impactos efetivos sobre a população, com o apoio de instituições públicas e universitárias de pesquisa.

Fontes: (Agência Câmara, 2/12)

Jornal da Ciência